26
Abr 13

Capítulo 10

Um novo começo?

Eu me senti, como se tivesse que começar minha vida do zero, nada poderia me ajudar nesse momento, à única pessoa que sempre me ajudou não está mais aqui.

Minha vida era monótona, todo dia a mesma coisa. Eu havia me mudado para casa dos meus pais novamente, não porque eu tinha um amor dimensional por eles, mas porque mora naquela casa sozinha era impossível.A solidão era insuportável.

Eu acordava cedo todos os dias, o sol começava a raiar  e eu já estava de pé, eu colocava um vestido preto e ia para o meu jardim, passava a manha toda cuidando das rosas brancas que passei a plantar, eu cuidava delas  da forma que não pude cuidar dele, porque descobri tarde demais meus sentimentos.

Eu pensava nele com Constancia e espera que ele possa ser feliz onde estivesse que ele se tornasse um anjo e guiasse meu caminho, por que eu estava perdida.

Quando o sol estava a pino, eu ia para casa e comia algo, se estivesse com fome, e partia para o parque.

Eu dedicava a mim tarde, todos os dias aquele parque, aquele lugar me lembrava tanto ele que me fazia me sentir mais forte. Eu chorava todos os dias ao lembrar dele.Ele era a parte mais importante da minha vida, e não podia negar isso.

Eu sentia muito a sua falta, o seu calor, o seu sorriso, tudo nele era importante para mim. Mas eu teria superar um dia, viver novamente, quando meu coração pudesse bater e aquecer meu corpo, e não torná-lo mais frio.

(...)

Era uma tarde, o vento atravessa as folhas, o sol raiva forte, e eu estava novamente embaixo daquele carvalho pensando no que havia se tornado a minha vida.

Eu havia me transformado em uma personagem, alguém que eu fingia ser para que ninguém tivesse pena de mim.

Eu não era nem de longe aquela pessoa que Jacob achava que eu era uma pessoa de coração puro, pelo contrario, meu coração estava ferido, como se estivessem cortado ele aos pedaços.

Eu esperava que um milagre acontece-se em minha vida e eu pudesse começar novamente, que Deus atendesse minhas preces, e eu pudesse ser feliz um dia.

Eu resolvi partir, tentar enterrar o que fui o que sou. Eu viverei outra pessoa, alguém de quem todos terão orgulho.

 

Capítulo 11

Uma nova Isabella Swan

Eu tinha três certezas em minha vida:

Primeira, a vida não havia sido fácil comigo, e eu sabia disso. Eu tive tudo e não tive nada.Me faltou amor e carinho e era disso que precisava.

Segunda, eu amava o Jacob, o amo e amarei sempre. Ele havia sido meu ponto de equilíbrio, meu porto seguro e tudo que eu pedi a Deus, e sou imensamente agradecida por isso.Ele foi meu pai, meu irmão, meu melhor amigo e meu marido, alguém dedicou um amor incondicional a mim, e que por muito tempo não pude corresponder.

Terceira, ele não voltaria, por mais que eu desejasse do fundo do meu coração ele não voltaria, e teria de aceitar, algum dia.

Eu teria que seguir em frente, minha vida na poderia continuar parada no tempo, eu teria que dar adeus ao passado e construir um novo futuro, um futuro no zero.

Eu seria criança novamente e teria de aprender a caminhar com as minhas próprias pernas, aprender a se equilibrar sozinha e sem ajuda.

Eu voltei para casa com esse espírito, de mudança.

Eu comecei pelo rosto, eu parecia tão... cansada, tão destruída, tão deprimida, que qualquer um que me visse, sentiria pena de mim.Eu não queria a pena e a compaixão das pessoas, eu não era uma “ pobre coitada”, e não queria me sentir fraca.

Tentei estampar um sorriso em meu rosto, mesmo sem ter motivo para sorrir. Eu tentei por um brilho em meus olhos, mas eles estavam apagados.Eu tentei por uma cor em minha face, mas eu me sentia como uma estrela apagada.

Eu me sentia velha, como se a vida não tivesse mais valor para mim, como se o tempo tivesse passado e eu continuasse parada.

Eu troquei de roupa, como se se cria um muro em volta de mim, uma capa, eu estava escondendo meus sentimentos, eu não deixaria mais verem meu coração partido, meu coração machucado, eu não deixaria ninguém mais ver minhas lagrimas, porque eu não teria mais motivos para chorar.

Eu seria uma nova Bella, alguém forte, que não precisaria do apoio de ninguém, que seria independente das emoções das pessoas, alguém que poderia ser considerada... fria.Seria assim para sempre ou até que meu coração se cicatrizasse.

Porque eu cansei de ter a compaixão daqueles que não me amam, daqueles que fingem sentir algo por mim, como se fosse uma obrigação. Eu cansei de ser uma obrigação paras pessoas, um peso, eu seria responsável pelos meus atos e arcaria com todas as conseqüência.

Eu deixei meu vestido cair no chão, e junto com a Bella do Jacob.

(...)

Um ano a morte do Jacob...

O dia estava lindo, com o sol brilhando forte, clareando um novo dia. Hoje fazia um ano desde que Jacob morrerá, e eu iria visitá-lo.Fazia tempo que não ia ao cemitério ou ao parque, mas hoje eu iria, eu precisava disso para me fazer forte.

Descia as escadas devagar, eu estava com pouca fome, e queria sair logo e passar o dia todo fora. Meus pais estavam na mesa, tomando café num silencio absoluto, eles as vezes não parecia ser casados.A distancia, o silencio a frieza, não fazem parte de um casal que se conhece a anos.

- Bom dia. - eu disse de forma educada e fria.

- Bom dia. - minha mãe respondeu, num tom animado.Ela ficará muito feliz por ver que eu havia superado a morte do Jacob.- Filha, hoje teremos um jantar importante, lembra dos Cullen?- ela perguntou, bebericando sua xícara de chá.

A Família Cullen era uma família exemplar. De origem Inglesa, mas eles havia se mudado para cá por conta dos negócios.O patriarca, Dr.Cullen, era medico e ajudava nas guerras que tinham, um homem de conduta tranqüila e educada.Tinha uma esposa linda, Esme e três filhos, os gêmeos, Rosalie e Jasper e Edward.Rosalie e Jasper já haviam se casado, a poucos meses e eram felizes.

Já Edward, havia sido levado quando era criança para um colégio interno na Espanha.

- Me Lembro, por que do interesse?- eu fui direta, minha mãe não era do tipo de mulher que perguntava algo sem nenhum interesse.

- O Jovem Edward, volto do colégio interno na Espanha e faremos um jantar, para comemorarmos sua volta, e sua presença é indispensável. - eu não gostava de festas e jantares, mas era obrigada a comparecer em todos.

- Claro, estarei aqui, agora com sua licença. - eu joguei o guardanapo na mesa, me levantei e parti.

Eu não cuidava mais dos jardins, o jardim me lembrava muito o Jacob, e eu queria esquecê-lo, por um pouco, mas as flores continuavam intactas, era uma forma de me lembrar que eu não era aquilo que sou hoje, eu já fui alguém doce e meiga.

Luccas cuidava das flores, e as mantia bela.

- Luccas!- eu corri para abraçá-lo, ele era alguém de quem eu gostava muito. Um senhor com seus quarenta anos, forte e robusto, mas extremamente gentil e educado.

- Minha menina!- eu gostava da forma como ele me chamava, me fazia me sentir jovem.

- Arruma algumas rosas brancas, por favor?- pedi.

- Claro. - ele tinha total dedicação as flores, e gostava disso, ele amava seu trabalho e era feliz assim.

Ele me entregou algumas flores, eu peguei uma égua, linda, com os pelos brancos que pareciam neve, e macia como algodão e muito mansa.

Eu cavalguei até o cemitério e me desfrutei com a sensação de ser livre.

Prendia a égua na porta do cemitério, e o tumulo de Jacob continuava inalterado, eu coloquei as flores sobre seu tumulo, mas a sensação te ter ele por perto, não apareceu, e eu me sentia fria, e sabia que ali não era o lugar onde deveria estar.

Ajoelhe-me e sussurrei um “Eu te amo”, e parti.

(...)

Sentei-me sobre o carvalho, e sentia o muro que construí se destruir, aquele lugar tinha esse poder, me destruir. Era como se Jacob estivesse ali, ele era parte de mim e eu sentia sua falta.

Deixei uma lagrima solitária escapar de meus olhos, senti o vento farfalhar.

- Com licença?- eu ouvi a voz de um anjo, e tive medo de abrir os olhos e ver que era apenas um sonho.

publicado por Twihistorias às 18:00

Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
18
19

22
23
24
27

28
30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

32 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O nosso facebook
facebook.com/twihistorias
Obrigatório visitar
summercullen.blogs.sapo.pt silvercullen.blogs.sapo.pt burymeinyourheart.blogs.sapo.pt debbieoliveiradiary.blogs.sapo.pt midnighthowl.blogs.sapo.pt blog-da-margarida.blogs.sapo.pt unbreakablelove.blogs.sapo.pt dailydreaming.blogs.sapo.pt/ http://twiwords.blogs.sapo.pt/
Contador
Free counter and web stats
blogs SAPO