11
Ago 12

 

Capítulo 19

La Push

Renesmee e eu metemo-nos a caminho. A prioridade era ir buscar a mala a casa de Charlie. Tínhamos escondido a mala lá para não a termos de carregar o caminho todo.

 De mala aviada, pusemo-nos a caminho. Ainda era uma grande viagem. Como não tínhamos carro tivemos de ir a correr. Seria cerca de uma hora e meia de Forks até La Push. Mas como costumam dizer, quem corre por gosto não cansa.

 Era bom estar em casa novamente. Sentir o vento gelado duma corrida a alta velocidade. Olhar para a conhecida mancha verde que nos rodeava. As florestas de Itália, pouco ou nada tinham a ver com as de Forks. Lembro – me, que quando era pequena, adorava o cheiro a erva molhada pela chuva. Claro que só o podia sentir quando ia passar ferias a Forks. Isso era uma das poucas coisas que eu gostava da minha cidade natal quando eu era pequena.

- Ainda falta muito? – Perguntou Renesmee com um tom de voz inocente, quando já íamos a meio  do caminho.

- Um bom bocado minha filha.

- Podemos parar? – Pediu ofegante. – Infelizmente eu ainda me canso quando corro durante muito tempo. 

- Claro que sim.

 Paramos e sentamo-nos num tronco que ali havia.

- Oh mãe! Por amor de Deus, para a próxima lembra-te que aqui a tua filha saiu a ti, e aluga um carro.

 Comecei a rir.

- Está bem Renesmee. Para a próxima eu tento pôr a Picup a funcionar.

- Para eu morrer antes do tempo? Mãe encara os factos, tu não és mecânica, Sabes? De repente isto de ir a pé não soa assim tão mal.

- Muito obrigada menina Renesmee.

- De nada. Sempre ás ordens.

- Vá, anda lá.

 Recomeçamos a nossa corrida.

 Depois de meia hora de corrida, finalmente, chegamos a La Push. Estava tudo exactamente da maneira que me lembrava. As casas, as pessoas, a praia. Nem parecia que a pequena reserva tinha perdido os seus protectores mais fortes.

- Mãe… mãe! BELLA! – Renesmee estalava os seus dedos em frente da minha cara, na tentativa de me acordar dos meus devaneios.

- Sim?

- Sabes, sempre pensei que os vampiros não dormiam. Hoje constatei que isso não é verdade.

- AH,AH. Que graça. Vê lá se não te cai um dentinho.

 Renesmee riu-se, e eu deixei-me levar e ri com ela.

- Bom. Vamos parar de rir ás minhas custa, e pensar no que vamos fazer a seguir. – Disse quando me consegui acalmar.

- Acho que deixamos isso bem claro no avião. Vamos ver como está a Emily.

- Tens razão. Onde é que eu estou com a cabeça?

- Num sitio que eu cá sei. – Murmurou Renesmee demasiado baixo para um humano ouvir.

- Disseste alguma coisa? – Perguntei fingindo não ter ouvido o seu comentário.

- Não, eu não disse nada.

 A distância até a casa de Emily não era muito grande. Mas como correr a uma velocidade inumana iria atrai os olhares da multidão (mesmo que essa multidão desconfiasse da existência de criaturas como eu), decidimos ir pela floresta, o que iria demorar mais.

 No caminho ia a pensar na reacção de Emily. Ira ela gostar da nossa surpresa, ou iriam os fantasmas do passado assombra-la assim que pusesse a vista em cima de nós? Cheguei á conclusão de que primeiro tinha de sabem o estado em que Emily se encontrava antes de fazer qualquer tido de suposição.

 Finalmente chegamos a casa de Emily. Fisicamente, aquele lugar não tinha mudado nem um pouco. A casa continuava lá, assim como o pequeno jardim ou canteiro. Mas faltava-lhe… o brilho? Era como se aquele lugar tivesse perdido a vivacidade. Como se metade dela se tivesse ido embora com os rapazes que a costumavam frequentar. A agitação perdeu-se de vez. Era como se aquele lugar estivesse vazio. Sim, era isso. Aquele lugar estava vazio.

- Entramos? – Perguntou Renesmee pegando na minha mão.

- Sim. Entramos.

 Caminhamos até ao alpendre. Agora que olhava melhor para a pintura da casa, notava que a tinta lascava em alguns pontos. Não sei se isso se deve ao facto de a casa não ser propriamente nova, ou se a Emily, simplesmente, se deixou de importar com a aparência da casa.

 Tocamos á campainha.

 Passados alguns segundos, alguém abriu a porta.

 Sem duvida que era Emily. O mesmo cabelo e olhos negros, o mesmo tom de pele caraqueteristicos dos habitantes de La Push.

Mas algo estava mal. Ela parecia genuinamente feliz. Mas os seus olhos já não brilhavam como antes.

- Bella! Renesmee! – Saudou –nos Emily com um sorriso.

- Emily! – Renesmee abraçou – a.

- Como tu estás grande! Já não nos víamos há muito tempo. Há dois anos, se não estou e erro.

- De facto não nos víamos há muito tempo.

- A ultima vez que te vi, parecias uma criança. Hoje já és uma mulher.

- Oh, vá lá! Assim fazes – me corar.

- É um bom sinal. – Ambas riram. – E tu Bella! Não mudaste nada.

- Pois. É bom sinal. – Comentei.

- Pois é. – Concordou Emily. – Bem, não fiquem ai. Entrem!

 Entramos em casa de Emily.

 Tudo estava exactamente como eu me lembrava. Apesar de algo estar mal. Levei um segundo a perceber que sempre que entrava naquela casa haviam pessoas sentadas á mesa. Agora havia um vazio idêntico ao que senti no lado de fora da casa.

- Então. – Começou Emily, sentando –se no pequeno sofá, e fazendo-nos sinal para fazermos o mesmo. – A que devo a honra da vossa visita?

 Renesmee e eu sentamo-nos ao lado de Emily.

- Bem. Estávamos por perto e pensamos em fazer – te uma visita. Sabes, já tínhamos saudades tuas. – Esclareceu Renesmee.

- Eu também tinha muitas saudades vossas.

 Os olhos dela eram vazios. Mas ela não estava tão mal quanto eu pensava. Não sabia se isso era bom ou mau. Por um lado, superou a morte do namorado. Por outro, isso é demasiado estranho, dado que ela era completamente apaixonada por ele, e vice versa.

- Então. O que têm feito? – Perguntou Emily.

- Bem. Temos passado estes últimos anos em Itália. – Esclareci.

- Itália?

- Sim. Coisas do Edward.

 O nome do meu marido despertou uma reacção instantânea em Emily.

- O Edward… - A voz de Emily indicava que, naquele momento, ela não estava na sala connosco. A sua mente devia estar num lugar á dois anos atrás.

- Como é que estão a lidar com isso? – Perguntou ela.

- Bem, provavelmente da mesma maneira que tu. Vivendo um dia de cada vez. – Respondi. 

publicado por Twihistorias às 22:34
Fanfics:

3 comentários:
Achei que a emilly estaria arrasada,mas,ainda é cedo para conclusões...
Marcela Thomé a 12 de Agosto de 2012 às 00:30

Eu pensei que elas fossem encontrar um Emily muito abalada mas parece que não... Hum, estranho!
Sarah a 12 de Agosto de 2012 às 23:29

ui estranho, a emily parecia normal..
inescullen a 14 de Agosto de 2012 às 12:24

Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
13
15
16

19
20
24
25

26
28


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
O nosso facebook
facebook.com/twihistorias
Obrigatório visitar
summercullen.blogs.sapo.pt silvercullen.blogs.sapo.pt burymeinyourheart.blogs.sapo.pt debbieoliveiradiary.blogs.sapo.pt midnighthowl.blogs.sapo.pt blog-da-margarida.blogs.sapo.pt unbreakablelove.blogs.sapo.pt dailydreaming.blogs.sapo.pt/ http://twiwords.blogs.sapo.pt/
Contador
Free counter and web stats
blogs SAPO