31
Ago 12

Capítulo 13

- Chuck! – gritou a Rosalie.

Em seguida levantou-se e foi abraça-lo. O Emmett apenas ficou em choque, não conseguia perceber se ele estava feliz ou preocupado com o regresso do filho.

- O que estás aqui a fazer? – perguntou o Emmett ainda em choque.

- Papi, não tiveste saudades do teu filhinho? – perguntou o Chuck com o seu sorriso manhoso.

- Só estou surpreendido por teres voltado.

- Bem, eu percebi que tenho sido um idiota e que não há problema nenhum em ter uma alimentação à base de ursinhos. – disse ele.

- A sério? – perguntou a Rosalie com um enorme sorriso.

- Não. – disse ele a rir-se bastante. – Vocês são muito engraçados e ingénuos.

- Bom, eu tenho umas coisas para resolver. – disse eu. – Vou deixar-vos matar saudades.

Sai de casa e enfiei-me no carro. Conduzi até ao restaurante onde a Milie estava com os amigos, depois sai do carro e mandei-lhe uma mensagem.

“ Tenho boas noticias para ti! Estou aqui fora à tua espera.

Bjs Ryan”

Emilie

Estávamos a comer e a divertirmo-nos imenso quando senti o meu telemóvel vibrar, era uma mensagem do Ryan.

- Pessoal eu tenho de ir andando. – disse eu levantando-me e agarrando a minha mala.

- Porquê a pressa? – perguntou a Mikayla.

- Porque acho que arranjei os teus 3 mil dólares.

Sai do restaurante e vi o Ryan encostado ao seu carro que estava estacionado mesmo a minha frente.

- Olá. – disse eu aproximando-me dele.

- O meu pai vai financiar a peça da tua amiga. – disse ele com um sorriso

- Obrigada. – disse eu, e sem pensar abracei-o.

Senti –o enrijecer e por isso afastei-me logo.

- Desculpa. – disse eu.

- Não faz mal. – disse ele.

Depois abriu a porta do carro dele convidando-me a entrar e eu entrei.

- Queres ir beber alguma coisa ao People Forks? – perguntou ele.

- Pode ser.

Quando chegámos lá o Ryan disse-me para eu esperar à porta enquanto ele ia estacionar o carro. Enquanto esperava pelo Ryan vi o primo dele passar e resolvi chama-lo.

- Ei! – gritei e ele olhou para mim. – Tu és primo do Ryan, certo?

- Certíssimo. E tu és a amiga gira dele.

Fiquei um pouco embaraçada.

- Então estão num encontro? – perguntou ele.

- Hum… acho que isso não é da tua conta.

- Pois tens razão. Mas agora já entendo porquê que o meu priminho anda tão contente. Já estava na hora.

- Não estou a perceber. – disse eu realmente não percebendo a conversa dele.

- Bem… tu sabes. Achei que ele nunca fosse superar a ultima, quase o destruiu.

- Não sei do quê que estás a falar!

- Da ex dele. Ora do quê que eu estaria a falar? – ele fez uma pausa e depois prosseguiu. – oh… ainda não tiveram a típica conversa estranha sobre os ex-namorados.

Agora a conversa dele já fazia sentido.

- Nop. – disse eu.

- Ups… então acho que agora vão ter. Peço desculpa, eu não queria de maneira alguma meter-me onde não sou chamado. – disse com um sorriso torto. – Talvez ele não te tenha dito nada para tu não pensares que és a namorada substituta. Ele não quer magoar mais ninguém.

- O quê?

- Da última vez que ele magoou alguém as coisas não correram bem. Todos sabemos como estas relações acabam.

- Estás a falar como se todos os relacionamentos acabassem.

- Sou realista. – disse ele revirando os olhos. – Mas eu não estou a dizer de maneira alguma que és a namorada substituta do Ryan. Nunca foi minha intenção insinuar tal coisa.

- Chuck. – disse o Ryan quando chegou ao pé de nós.

- Olá primo! Apenas estava a conversar com a Emilie. – disse o Chuck.

- Milie acho que está na hora de eu te levar para casa. – disse o Ryan.

- Não íamos beber alguma coisa? – perguntei confusa.

- Está a ficar tarde. – disse ele.

- Pois está a ficar tarde. Foi um prazer conhecer-te Chuck. – disse eu.

- Também gostei de te conhecer. – disse o Chuck.

O Ryan estava a olhar fixamente para o Chuck, estava praticamente a mata-lo com o olhar.

- Ryan? – ele não me ouvia. – Ryan? Ryan vamos?

- Sim. – disse ele acordando do seu transe.

Durante toda a viagem de carro ele não disse uma única palavra e quando chegámos à porta da minha casa ele apenas despediu-se com um aceno de mão e eu sai do carro e entrei em casa. Os meus pais não estavam, por isso liguei para a Robecca e contei-lhe o que se tinha passado esta noite.

- E qual é o problema? – perguntou ele depois de eu lhe ter dito o que o Chuck me contou.

- Ele anda à procura de uma namorada substituta e tem problemas familiares. – respondi.

- Ai Milie, pelo menos é uma ex-namorada. – disse a Robecca. – Experimenta sair com um rapaz que tem problemas com a mãe, ou problemas de fidelidade, ou de masculinidade ou até que só quer levar-te para cama para depois engravidar-te e abandonar-te.

- Credo. – disse eu.

- Se gostas dele devias ligar-lhe esclarecer esse assunto e dizer-lhe o que sentes. – disse ele.

- Tens razão. – disse eu.

Então desliguei o telefone e liguei para o Ryan mas ele não me atendeu, então deixei-lhe uma mensagem no correio eletrónico. Ouvi a porta de casa a bater. Os meus pais já tinham chegado e vinham a discutir. Fui para a sala. Ia começar tudo outra vez.

Ryan

Depois de deixar a Milie em casa voltei para o People Forks, precisava de falar com o Chuck. Quando lá cheguei ele estava sentado numa mesa e eu fui sentar-me ao pé dele.

- Que grande miúda! – disse ele a rir. – Ela cheira tão, tão bem. Adorava saber se o sangue dela é tão bom quanto o sabor, descontrola qualquer um. Como consegues estar tão perto dela e não provar? estás mesmo mal. – eu não lhe respondi, apenas fiquei a olhar para ele. – Aposto que tens de te esforçar muito. Lembra-te que se não comeres bem, não funcionas bem.

- Quanto tempo estiveste a conversar com a Emilie? – perguntei-lhe.

- Preocupado, primo? – perguntou ele com um sorriso torto. – Estás com medo que eu te faça o que me fizeste no passado? É por isso que jogas a esse jogo do “ sou um humano que anda na escola, upi!”?

- Eu não estou a fazer jogo nenhum Chuck. Eu já não sou aquela pessoa.

- É claro que estás. Ambos sabemos que aquele vampiro vai estar sempre ai escondido. Tu sempre serás aquele animal monstruoso. Por isso acho que podias parar de brincar ao “ eu sou o Edward e posso namorar uma humana e ser bonzinho.”

- E que jogo é que tu estás a jogar, Chuck? – perguntei-lhe.

- Hum… acho que terás de esperar para descobrir, certo?

Depois ele levantou-se e fui sentar-se na mesa da Mia. Ela estava lá sozinha.

publicado por Twihistorias às 22:39
Fanfics:

comentário:
achei que o Ryan e o Chuck iriam sair na porrada!
marcela thomé a 2 de Setembro de 2012 às 01:31

Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
13
15
16

19
20
24
25

26
28


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

32 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O nosso facebook
facebook.com/twihistorias
Obrigatório visitar
summercullen.blogs.sapo.pt silvercullen.blogs.sapo.pt burymeinyourheart.blogs.sapo.pt debbieoliveiradiary.blogs.sapo.pt midnighthowl.blogs.sapo.pt blog-da-margarida.blogs.sapo.pt unbreakablelove.blogs.sapo.pt dailydreaming.blogs.sapo.pt/ http://twiwords.blogs.sapo.pt/
Contador
Free counter and web stats
blogs SAPO