25
Dez 12

Capitulo 19

Parte 2

Depois de toda a conversa com os meus pais, umas lágrimas à mistura e alguns sorrisos o ambiente acalmou.

Quase parecíamos a família de antigamente.

Ainda não tínhamos sido tão sinceros uns com os outros desde da minha chegada. Esperava que agora esta sensação de família fosse para durar.

Apesar de continuar com um pé atrás iria tentar ao máximo dar o meu melhor em prol desta família.

A cada dia que passava mais vampiros chegavam à nossa casa.

Era estranho, pois sabíamos que se aproximava uma batalha, no entanto a tia Alice não a conseguia visualizar.

Para piorar um pouco, a Aria já não dava noticias à quatro dias e isso estava a começar a deixar-me assustada. Assim como uma das irmãs do Nahuel também não tenha aparecido, o que fez com que nós, híbridos, estranhasse-mos.

Eramos bastante unidos devido aos nossos segredos, à nossa natureza e estranhávamos o facto da Maysun não se ter juntado a nós.

-Ei! – exclamou Nahuel em forma de chamar à atenção do maior numero de pessoas. – E quem alinha num joguinho de verdade e consequência?

Sorri com a ideia dele.

A maioria achou um pouco infantil aquele jogo, no entanto quase todos acabaram por aceitar, tamanha era o aborrecimento naquela casa para tantos vampiros.

Eu corri à cozinha para pegar numa garrafa enquanto todos se sentaram em forma de círculo na sala.

Conseguia ouvir os queixumes de alguns e visualizei Serena, Nahuel e Jennifer a sorrir. Apenas eu, o Nahuel e as suas duas irmãs ali presentes sabíamos o que implicava aquele jogo da verdade e consequência.

É que a Jennifer tinha um poder bastante particular, em que “obrigava” as pessoas a dizer a verdade, mesmo quando elas não queriam. O que fazia com que este jogo se tornasse bem mais interessante.

Inicialmente todo o jogo começou com algumas banalidades, por isso todos responderam a verdade não se apercebendo do poder da minha amiga.

Só quando a coisa começou a subir de nível e as perguntas começaram a ficar mais “pessoais” é que alguns se começaram a aperceber. No entanto nenhum revelava que não conseguia mentir. Eu sabia pela cara furiosa que eles depois exibiam, os olhares furtivos e pelo sorriso enviesado da Jennifer.

-Maninha, com os últimos acontecimentos, com uma filha em casa e visto a vossa casa nunca ter sofrido nenhum tipo de acidente estrutural. O meu irmãozinho dá conta do recado e com que frequência é que o faz? – perguntou o tio Emmett à minha mãe assim que a garrafa apontou para ela.

Os olhos da Bella estreitaram-se em sinal de fúria e ela abriu a boca para lhe responder à letra, mas as palavras que lhe saíram deixaram-na chocada e a mim enjoada.

-Sim Emmett ele dá conta do recado todas as noites e não à dano nenhum na casa porque somos cuidadosos e nem sempre é dentro da casa. - assim que terminou as mãos dela voaram para a sua boca tamanha era a sua vergonha.

Fiquei contente por ver que o poder da Jennifer funcionava na minha mãe, pensei que não iria resultar. Olhei de relance para a minha amiga e ambas sorrimos discretamente.

O meu pai estava pasmado a olhar para a minha mãe e eu tentava a todo o custo evitar o olhar com eles.

Quer dizer, quem gosta de imaginar os nossos pais a fazer estas coisas? Eu não!!

Rapidamente peguei na garrafa para a fazer girar e mudar de assunto.

-Renesmee. – sorriu o Matt assim que a garrafa parou em mim. – O que mais te incomoda neste momento.

Matt era um vampiro de olhos vermelhos, cabelo loiro pelo ombro amarrado, com um aspecto perigoso e lindo de morrer. Era amigo dos meus pais, conheceram-no numa das muitas viagens que realizaram para me encontrar.

Quanto à pergunta, era impossível mentir, por isso nem sequer tentei. Apenas disse a verdade.

-O facto de os meus pais estarem aqui. – Bem o silencio não podia ser maior, assim como os desvios de olhar. A dor deles com as minhas palavras eram quase palpáveis. – Quer dizer, quem gosta de ouvir a mãe dizer que todas as noites faz aquelas coisas com o nosso pai? É que imaginam logo e não é bonito, pelo menos na cabeça de um filho! – apressei-me a acrescentar. – E depois vem as minhas perguntas, que também podem ser constrangedoras para eles ouvir e eu saber que eles ouviram.

E agora já estava a falar de mais.

O sorriso apareceu em todos , entendendo o porquê da minha resposta.

A garrafa foi rodando, e as perguntas foram mudando, desde sexuais, a campos de batalha, entre outras coisas. No entanto a maioria parecia tentada a esconder ou mentir acerca das respostas.

-Desculpem, mas quem é que aqui tem o poder de nos fazer dizer a verdade? Sim porque eu não consigo dizer mais nada senão a verdade acerca da pergunta que me fazem. – perguntou um dos vampiros que ali se encontrava.

O Nahuel começou a rir-se, assim como eu e as irmãs dele.

-Qual seria a piada deste jogo se podesses mentir? Apenas tenho a certeza que contas a verdade com um pequeno poder.

Nahuel não disse quem tinha o poder, mas deu a entender que seria ele. Em parte tínhamos medo da reacção dos outros vampiros e ele era super protector em relação à sua irmã mais nova.

Alguns quiseram abandonar o jogo, mas com algum palavreado lá os conseguimos convencer a permanecer no jogo e deixar as perguntas de carisma sexual de lado. O que devo confessar, fiquei super aliviada e contente com tal regra.

-Qual a tua maior fraqueza em campo? – perguntou um outro vampiro de olhos vermelhos à Serena.

Todos os híbridos ficamos nervosos. A fraqueza dela era a nossa fraqueza. E nós fazíamos questão de manter isso em segredo. Quase que apostava que neste momento o poder da Jennifer já não estava sobre ela.

-Nenhuma em particular. Talvez tropeçar um pouco nos meus próprios pés. – disse com um sorriso envergonhado.

Sim, ela tinha mentido. Ainda bem, não sabíamos o que nos aconteceria se soubessem a nossa maior fraqueza. Se soubessem que sofríamos exactamente como os humanos, a diferença é que não morríamos. Imaginam a dor que nos podem infligir? A tortura que seria se soubessem a verdade?

Ninguém o poderia saber. Por isso é que era algo só nosso.

O jogo continuou, agora com o poder da verdade da Jennifer novamente.

Ainda permanecemos mais algumas horas ali a jogar.

Repentinamente, no meio de uma resposta a tia Alice ficou hirta, estava a ter uma visão. Todos nos calamos, e ficamos a olhar para ela.

Subitamente o terror instala-se no seu rosto e todos nos apercebemos de que se aproximavam más noticias.

publicado por Twihistorias às 12:00
Fanfics:

2 comentários:
Nossa,más noticias...Estou curiosa,posta logo por favor!
Marcela Thomé a 25 de Dezembro de 2012 às 18:15

oih não podes acabar isto assim.
Beijinhos
inescullen a 25 de Dezembro de 2012 às 23:38

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
27
29

30
31


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
O nosso facebook
facebook.com/twihistorias
Obrigatório visitar
summercullen.blogs.sapo.pt silvercullen.blogs.sapo.pt burymeinyourheart.blogs.sapo.pt debbieoliveiradiary.blogs.sapo.pt midnighthowl.blogs.sapo.pt blog-da-margarida.blogs.sapo.pt unbreakablelove.blogs.sapo.pt dailydreaming.blogs.sapo.pt/ http://twiwords.blogs.sapo.pt/
Contador
Free counter and web stats
blogs SAPO