21
Jan 13

Capítulo 36

Faltavam três dias para o julgamento a cada dia que passava tentava ao máximo usufruir cada bocadinho da minha mãe e da “liberdade” da minha casa.

Ethan visitava-me todos os dias, e a noite era trocada com a presença do Bentley. Uma coisa era certa, era vítima de uma marcação cerrada de ambos, apesar de nunca mais ter feito qualquer corte no meu corpo, todos os objectos cortantes tinham desaparecido da casa de banho e do meu quarto.

-Mas porquê que a minha mãe tem que sair com a Emily? – perguntava eu a Ethan pela 100ª vez.

Emil tinha conseguido convencer a minha mãe a ir não sei exactamente com ela. O que era certo é que a minha mãe iria ficar fora de casa esta noite e amanhã o dia completo. Aquilo era estranho e em parte “temia” o que estava para vir.

-Porque a minha mãe necessita de companhia feminina. – disse com um sorriso matreiro. – Bem, agora tenho que ir embora. Ficas em? – perguntou-me enquanto pegava no seu casaco e se dirigia para a porta.

Acenei com a cabeça que sim, apesar de continuar sem saber o que estava a ser preparado para o tempo em que a minha mãe estava ausente.

O resto da tarde passei na companhia da minha mãe, que preparava um pequeno saco com uma muda de roupa. Apesar de ela estar relutante, notava uma pequena felicidade pelo facto de poder sair, fazer alguma coisa diferente e não pensar por algum tempo no julgamento que se aproximava a toda a velocidade.

Não a podia censurar e em parte ficava feliz por ela.

As horas passavam e dentro de pouco tempo Emily iria estar ali para partir com a minha mãe, por isso mesmo, ela neste momento encontrava-se na casa de banho a tomar banho. Eu estava senta no sofá em frente à Tv a ver a Ellen Degeneres.

No entanto, mesmo olhando para a TV e ouvindo algumas das piadas de Ellen e até esboçar um sorriso, a  verdade é que a minha mente vagueava pelos últimos tempos da minha vida.

O facto de ter disparado aquela arma, o sentimento que aquilo trouxe. Pensei que ao premir o gatilho fosse sentir felicidade por tudo ter terminado e talvez que voltasse a ser a mesma rapariga antes do que aconteceu naquela tarde em que fui violada. Infelizmente isso não aconteceu, inicialmente foi aquele alivio de ter tudo terminado, mas a felicidade nunca chegou a aparecer, não completamente. Invés disso vi-me metida numa bola, que rolava e rolava e cada vez ficava maior. Eram tantas emoções à volta, mas parecia que nenhuma me atingia por completo.

Sentia-me vazia!

E a menina inocente daquele tempo? Cheguei à conclusão que ela tinha morrido ali naquele mato. Nunca mais a haveria de a ver ou sentir, por mais que a procurasse.

E todos os sentimentos que me relacionavam com o Ethan e o Bentley. Não sabia explicar ao certo o que sentia por ambos.

Não os via com luxuria, não conseguia. Esta nova Kelsi estava demasiado “estragada” para conseguir ver dessa forma fosse o homem que fosse. No entanto, sempre que estava com o Bentley sentia uma vontade enorme de o ter perto de mim, de sentir o cheiro dele, olhar os seus olhos dourados e sentir a o frio da sua pele.

Por vezes pergunta-me o porquê de sentir aquilo? Seria aquele magnetismo  que todos os vampiros tinham para atrair todos as suas presas?

Ou seria apenas a minha vontade de o ter perto de mim?

Uma coisa eu sabia, ele tinha ali estado para me apoiar sempre, independentemente de tudo e todos. Mesmo que tivesse que levar com os lobos.

Sim, o Bentley era sem duvida alguma o melhor amigo que já tive e claro, o mais fiel.

Em contrapartida, Ethan, ele tinha alguma coisa nele que me atraia nele. É como se ele me compreendesse, como se ele soubesse o que eu sentia, o que pensava, o que precisava. Meu Deus, nem quando namorávamos tínhamos esta ligação. Ele não m era indiferente, não podia mentir. No entanto, eu não conseguia esquecer os últimos três anos.

Não conseguia esquecer as palavras dele naquela altura, as suas atitudes. As lágrimas que derramei por causa dele, a dor que ele me tinha causado.

Apesar de agora estar 150% presente na minha vida, em me apoiar, tudo, eu não conseguia esquecer de ele não ter estado presente no passado.

Uma lágrima correu pela minha face.

Meu Deus, como odiava parecer tão vulnerável.

Ultimamente estava completamente descontrolada a nível de emoções. Umas vezes era forte, outras completamente apática, outras extremamente sensível. Só queria que tudo isto terminasse. Que o juiz dissesse a minha pena e pronto!

Sacudi a cabeça numa tentativa de me recompor, o meu dedo limpou a lagrima e dirigi-me à cozinha. Se comece qualquer coisa iria acalmar.

Sim, sem dúvida alguma!

Abri o congelador e lá estava, um pequeno recipiente com gelado. Retirei-o e fui buscar uma pequena colher à gaveta.

Na gaveta estava todo o tipo de talheres, desde colheres, garfos e claro, facas.

Os meus dedos voaram na direcção da faca, apenas um toque foi o suficiente para sentir o frio do metal e uma onda percorreu todo o meu braço. Instintivamente apurei a minha audição e ainda ouvia a água do chuveiro a cair, o que significava que a minha mãe estaria na casa de banho ainda por algum tempo. Os meus olhos percorreram a divisão, apenas para verificar se nenhum dos meus guarda costas não estava por perto.

Nada, estava completamente sozinha a tocar numa faca.

«É só um corte Kelsi, não vai fazer mal nenhum e vais sentir» pensei.

OS meus dedos rodearam aquele metal frio segurando-o agora com força na mão.

Suspirei várias vezes e fechei os olhos.

Já tinha pousado o gelado no balcão.

A minha mão começou a tremer e assim que voltei a abrir os olhos larguei a faca como se a mesma me estivesse a queimar.

-Não! – disse num sussurro.

Tinha prometido que iria ser forte.

Guardei a faca no mesmo local, substituindo-a por uma colher, agarrei no meu gelado e afastei-me da cozinha o mais que consegui.

Apenas tive que me concentrar noutra coisa e deliciar-me com aquele gelado de chocolate e menta.

O tempo passou, e após me empanturrar com todo o gelado, chegou a Emily.

-Kelsi, comporta-te, não faças nenhuma loucura. Já sabes, alguma coisa liga para o Sam e ele vem logo aqui. – dizia a minha mãe antes de partir.

-Sim mãe, não te preocupes, eu não pretendo sair de casa. – disse apontando para o pequeno aparelho com um pequeno sorriso.

-É para o teu bem. – disse a minha mãe enquanto depositava um beijo na minha testa e me abraçava.

Assim que ela encerrou a porta, fui para a janela e vi-a partir no carro com a mãe do meu ex-namorado.

Nem 5 segundos depois tinha alguém a bater à porta das traseiras. Corri para lá e abri a porta ao Bentley.

E lá estava a vontade de o tocar, por isso, sem pensar duas vezes voei para os seus braços.

O serão foi passado no sofá, comigo deitada no colo dele e ele a mexer no meu cabelo enquanto via-mos “Pretty little liars”.

-Aposto que a “A” vai ser a Allison. – dizia eu enquanto via as peripécias das meninas na TV.

-Mas a Allison morreu, lembras-te??

-Eu acho que não foi a Allison que morreu, mas sim a irmã gémea dela. – dizia eu. – Como foi no livro. – explicava eu.

-Mas eles disseram que não ia ser igual ao livro. – comentava o Bentley.

-Então o porquê de aparecer aquelas imagens de duas gémeas nos episódios de Halloween? Aposto. – teimava eu.

-Inda vai ser uma das quatro, provavelmente a Spencer. – dizia ele.

-Não me parece. – disse por fim.

Devo ter adormecido, pois não me lembro exactamente como terminou o episódio.

Acordei com alguém a fazer-me cocegas no pé.

Assim que abri os olhos apercebi-me que as mãos geladas de Bentley estavam à volta do meu tornozelo.

Foi então que me apercebi que a minha pulseira electrónica repousava agora em cima da mesa do café.

-O que fizeste? – perguntei sobressaltada.

Comecei a entrar em pânico, a qualquer momento iria aparecer ali a policia e eu iria novamente para a cadeia. Que efeito teria aquilo no meu processo.

Foi um balde de água fria. O Bentley tinha acabado de me trair. Eu iria ser presa mais cedo por causa dele e sabe lá Deus o que mais me iria acontecer.

publicado por Twihistorias às 18:00
Fanfics:

4 comentários:
Omg! Que loucura! Poste logo o próximo capitulo,não banque a malvada!
Marcela Thomé a 21 de Janeiro de 2013 às 19:40

De certeza que a Kelsi está errada. O Bentley nunca faria nada para a prejudicar, pelo menos não de uma forma intencional.
Fico a aguardar o próximo capítulo ansiosamente.
(já sabes como sou. rsrsrsrsrsrsrs)
Ella Fitz a 21 de Janeiro de 2013 às 23:28

Estou nervosa... O que será que deu na cabeça do Bentley para tamanho disparate.

Adorei o capitulo!


Ps.: a kelsi vê boa televisão :))
Ana a 23 de Janeiro de 2013 às 00:16

diz-me que o Bentley teve muito cuidado a tirar a pulseira electrónica! o:
posta, mais, mais, mais! beijinhos :*
Ana a 23 de Janeiro de 2013 às 23:15

Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
24
25

27
29
31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

32 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O nosso facebook
facebook.com/twihistorias
Obrigatório visitar
summercullen.blogs.sapo.pt silvercullen.blogs.sapo.pt burymeinyourheart.blogs.sapo.pt debbieoliveiradiary.blogs.sapo.pt midnighthowl.blogs.sapo.pt blog-da-margarida.blogs.sapo.pt unbreakablelove.blogs.sapo.pt dailydreaming.blogs.sapo.pt/ http://twiwords.blogs.sapo.pt/
Contador
Free counter and web stats
blogs SAPO