08
Set 11

2. Home Sweet Home?

 

Entrei rápidamente em casa, sem me preocupar em chamar o meu pai e o meu tio para virem junto. No rés-do-chão do nosso novo lar pude verificar a existência de uma pequena cozinha, totalmente equipada em tons de branco. Era bom a cozinha da nossa casa não ser muito grande, não iamos passar muito tempo lá. Aquele andar possuía ainda uma casa de banho e uma ampla sala, decorada em tons de castanho, com várias prateleiras de livros e com uma garrafeira onde já descansavam algumas garrafas de whisky que, concerteza seriam de Damon. Junto do corredor estavam umas escadas que davam acesso ao primeiro andar e, consequentemente, aos quartos. Subi as escadas a correr e verifiquei que existiam quatro quartos. A primeira porta que abri mostrou-me aquilo que devia ser o quarto de Stefan, uma vez que tinha alguns livros de Filosofia (a disciplina que o meu pai leccionava em escolas secundárias) pousados em cima da cama. Segui para o cómodo seguinte e encontrei, finalmente, o meu quarto.

O quarto era bastante espaçoso e estava decorado em tons de verde (a minha côr favorita). Havia uma secretária, os meus livros favoritos já estavam dispostos numa estante e, pude verificar que estavam três puffs espalhados pelo chão. Porém, a peça que eu mais gostei no meu quarto e que me deixou com um sorriso estampado no rosto, foi a fotografia que estava presa na parede, exactamente em cima da cama. Lá estavamos eu, o meu pai e o meu tio, sorridentes nas nossas últimas férias de Verão que foram passadas em Florença. O facto de o meu pai e o meu tio terem ambos anéis que lhes permitiam andar no sol sem brilharem faziam com que pudessem viver e viajar em qualquer parte do Mundo sem a preocupação do sol. Esses anéis não são muito comuns entre vampiros porque, para adquiri-los é necessário ter boas relações com uma bruxa ou bruxo (algo que não é nada comum!) ou, no caso de Damon e Stefan, ter Katherine apaixonada por ambos e esta conseguir que eles adquiram os anéis antes de se transformarem.

Na fotografia os meus longos acobreados e lisos esvoaçavam pelo ar e, podia-se verificar que eu e Stefan tinhamos os olhos exactamente do mesmo tom de verde. Apesar da minha cor de cabelo e olhos serem claramente uma herança do meu pai, toda a gente considerava que eu tinha um rosto semelhante ao da minha mãe, o que me deixava bastante orgulhosa. Quando pensei em Elena olhei imediatamente à volta e, logo encontrei uma fotografia sua, num pequeno pass-par-tout em cima da minha secretária. Sempre tinha tido uma fotografia da minha mãe no meu quarto  e, eu sabia que Damon nunca se esqueceria desse pormenor.

- Então, achas que me posso dedicar ao ramo da decoração, ou nem por isso? – disse Damon atrás de mim.

- Podes montar a tua empresa já hoje tio, o quarto está lindo! – disse eu a sorrir.

- Tenho de admitir que fizeste um belo trabalho Damon, a casa está fantástica. – disse Stefan enquanto olhava em volta com um ar satisfeito.

- Ainda bem que gostaram meus caros, fico feliz. E que tal agora irmos dar uma corrida pela floresta? Vamos lá conhecer o vosso novo refeitório! – disse Damon com ar trocista.

Saímos de casa a correr em velocidade vampírica - se bem que o meu pai e o meu tio não corriam tão rápido como lhes era permitido ou eu não seria capaz de os acompanhar. Estava um dia frio e cinzento, a floresta estava bastante escura, mas o cheiro das árvores e da terra era tão agradável que me entusiasmei assim que comecei a correr.

Após cerca de uma dezena de kilómetros de corrida avistamos alguns veados mas, não paramos para caçar porque estavamos bem alimentados. Naquele momento estavamos simplesmente a conhecer a floresta e a correr por diversão. Paramos quando encontramos um pequeno riacho e, eu aproveitei para ir molhar as mãos e o rosto na água.

- Temos aqui uma bela floresta, este espaço é lindo e vai ser óptimo para caçarmos – disse Stefan enquanto se encostava a uma árvore.

- É verdade, tenho de admitir que esta floresta é fantástica... – Damon.

- Vocês não estão a sentir um cheiro desconhecido? – disse Stefan interrompendo Damon e indo imediatamente ao meu encontro.

Damon percebeu que Stefan estava certo e foi igualmente ao meu encontro. Eu mesma senti o odor a que o meu pai se referia - aproximava-se de nós um rasto de cheiro a vampíro, um cheiro desconhecido, e isso não era nada bom. Por aquilo que o meu pai me tinha dito, neste momento não haviam vampiros em Forks e nós não estamos preparados para entrar numa luta. Nós só queriamos viver pacificamente e em harmonia em Forks, e naquele momento eu começava a duvidar que isso fosse possível.

- Michelle, fica atrás de mim e do teu pai. Não te assustes, nós vamos resolver isto e vai ficar tudo bem, não te preocupes. – disse Damon enquanto olhava preocupadamente para as àrvores à nossa volta.

Começavam-se a ouvir sons, quem quer que viesse ao nosso encontro estava agora muito perto. Eu tinha lágrimas nos olhos, estava em pânico com a ideia de alguém ferir o meu pai ou o meu tio. A minha família estava em perigo e eu sentia-me, mais do que nunca, uma meia vampira fraca que não ia ter força para salvar aqueles que mais ama. Nesse momento surgiram sete vultos na nossa frente, quatro vampiros e três vampiros. Na frente estava um vampiro loiro que, pelo aspecto devia ser o chefe do Clã. Depois de um segundo o vampiro disse.

- Boa tarde, o meu nome é Carlisle Cullen e esta é a minha família. Por favor não estejam tensos, não estamos aqui à procura de uma briga.

- Então estão aqui à procura de quê? Querem fazer amigos novos? Acabamos de chegar à cidade, estamos simplesmente a usufruir de um passeio da floresta e somos cercados por SETE vampiros! SETE! Concerteza que vocês não estavam à procura de uma luta nem nada! – disse Damon furioso.

- Por favor, perdoem o aparato, mas quando soubemos que haviam novos vampiros nas redondezas resolvemos vir todos, não nos julguem mal – disse Carlisle, e prosseguiu – Esta aqui é a minha esposa, Esme, e este são os meus filhos, Jasper e Alice, Rosalie e Emmet e Edward.

- Vocês são os Cullen, os vampiros vegetarianos que viviam em Forks! Vocês não tinham ido embora por causa dos lobisomens? – disse Stefan.

- Como é que ele sabe de nós? – disse o vampiro que Carlisle tinha denominado de Jasper. Ele parecia tenso e pouco agradado com o nível de conhecimento do meu pai sobre a família Cullen.

- Desculpem, falaram-me de vocês há alguns anos, quando eu e o meu irmão andavamos a fazer pesquisas sobre a nossa especie após o nascimento da minha filha, Michelle. – disse Stefan

Todos me encararam. Eu já sabia o que estava a passar na cabeça daqueles vampiros. Ouviam o meu coração, sentiam o meu cheiro e sabiam que eu não era nem vampira nem humana...

- Antes que perguntem, eu sou meia-vampira! É uma longa história, passemos à frente... Podem-nos explicar o que querem de nós por favor? Por favor, não façam mal à minha família... – disse eu impacientemente.

O vampiro de cabelos acobreados ao qual Carlisle tinha chamado Edward encarava-me ininterruptamente, o que me estava a deixar bastante nervosa.

- Bem, nós só queriamos saber quem eram os novos vampiros da região, queriamos garantir que podemos conviver pacificamente e nunca vos quisemos atacar... Será que vocês se importariam de nos acompanhar até nossa casa para conversarmos um pouco? – disse Carlisle.

- Antes de mais, o meu nome é Stefan, a minha filha chama-se Michelle e este é o meu irmão Damon, somos os Salvatore, perdoem-me por só agora nos apresentar.  Se a minha família não se importar, eu não vejo inconvenientes em aceitar o convite – disse Stefan com um ar sereno.

Edward encarava-me a mim e à minha família como se fossemos uma grupo de monstrinhos. Oscilava entre o ar fascinado e assustado mas, só eu parecia reparar no seu comportamento.

- Claro, vamos comer uns muffins e beber um chá verde com os vegetarianos, Stefan! A sério, arranjam-me cada uma... – disse Damon a reclamar, mas não parecia determinado em recusar o convite.

- Se achas que é a coisa certa a fazer, vamos a isso pai -  disse eu um pouco receosa.

- Então sigam-nos por favor -  disse Carlisle.

E seguimos todos por entre a floresta até à casa dos Cullen. Quem diria que o nosso primeiro dia em Forks seria tão agitado...

publicado por Twihistorias às 18:31
Fanfics:

3 comentários:
Adoreii. Continua! :)
Filipa* a 8 de Setembro de 2011 às 18:50

Muito obrigado Filipa, espero que continues a gostar! :)
Beijiho *
Cláudia Ferreira a 11 de Setembro de 2011 às 16:40

Olá meninas (:
Eu enviei-vos um mail, mas ninguem me respondeu :S
Eu criei um blog à pouco tempo e gostava que voces colocassem aqui no blog, para visitarem :$
Sou a Alexandra, não sei se se lembram de mim :$
Beijinhos

P.S: O blog é este dailydreaming.blog.sapo.pt
é muito importante a vossa visita porque gostariamos de ter mais visitas e comentários ao blog (:
Obrigada!
Alexandra a 8 de Setembro de 2011 às 22:25

Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


18
20
24

30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

32 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O nosso facebook
facebook.com/twihistorias
blogs SAPO