02
Mar 12

 

 

Capítulo 51

 

O seu rosto calmo mostrava um final de uma história de amor! Aquela alegria que só se atinge com a maternidade. Bella estava absolutamente serena apesar das contracções já terem há muito recomeçado, era como se agora assumisse o controlo do seu corpo. Ainda segurava a criança recém-nascida e a aproximação de uma nova expulsão deixara-me insegura sob a melhor forma de a proteger.

De repente um vulto aproximou-se, sobressaltada persegui-o com os olhos. Bella continuava concentrada em controlar a respiração e parecia estar absorvida o suficiente para não se aperceber do nosso visitante.

Num acto reflexivo apertei o corpo frágil do bebé Anthony no meu peito e Interroguei o vazio:

- Quem está aí?! Eu chamo a polícia!

Os olhos até agora cerrados da parturiente abriram-se rapidamente. E pedi-lhe que se mantivesse em silêncio.

- Já estou a marcar o número engraçadinho! É bom que apareças!

De súbito o som de passadas na erva seca, deixara o meu batimento cardíaco acelerado.

O vulto acabou por definir-se num jovem alto envergando uma camisa branca. Este trazia um ar calmo, algo bizarro para alguém que acaba de entrar num cenário de um parto ao ar livre. Era o Edward da fotografia. “Que profissional do auto controlo”, pensei com um sorriso.

- Desculpe assusta-la Charlotte sou o Edward, filho do Dr. Carlisle. Tentei chegar o mais rápido que pude. Mas o meu carro ficou atolado e eu ...

- Não tens que me explicar nada Edward. Tens é que ajudares a tua namorada e conhecer o bebé mais fofo do mundo.

Sorri de novo para a pequena preciosidade aninhada no meu peito. E vi-o correr agilmente para seu lado.

- Bella amor... Eu peço imensa desculpa querida, eu queria ter estado presente... Estou tão orgulhoso de ti meu amor. - Olhou a com adoração enquanto a apoiava, deixando que as suas costas se apoiassem no peito dele.

Esta situação impressionou-me, o rapaz não só verbalizava com um adulto maduro como, também, sabia apoiar uma mulher em trabalho de parto da forma correcta. “Boa escolha Bella”, conclui eu.

- Não faz mal... O importante é estares aqui...- ouvi-a dizer baixinho e tremendamente cansada. Depois cerrou os olhos e disse depressa:

- Charlotte!! Vou precisar da tua ajuda agora, dá o Anthony ao Edward por favor!

Levei o bebé até Edward que ainda reagia ao facto se ter ouvido o nome do filho de forma tão concreta. Instantes antes de se preparar para a expulsão, Bella olhou na direcção de Edward e apresentou-os afectuosamente:

- Amor apresento-te o nosso filhote Anthony, como podes observar, está a portar-se muito bem á espera da mana.

Não consigo sequer verbalizar a reacção de puro êxtase que aquele jovem teve ao conhecer o Anthony, acho que nunca sequer vi algo assim. Era como se tivesse encontrado o diamante mais raro do mundo, combinado com a cura para todas as doenças do mundo e a paz mundial. Em suma o nascimento de um pai.

Minutos depois Elisabeth juntou-se á família, Edward e Bella deram-lhe as boas vindas entre beijos e olhares de felicidade e protecção. Quando terminei o pôs nascimento, falei.

- Edward e Bella, os meus mais sinceros parabéns. Eu já experienciei inúmeras situações destas e conheci muitas famílias mas nunca nenhuma como vocês. É como se tivessem um talento natural para isto! Edward a tua Bella é provavelmente a parturiente mais forte que eu conheço, a sério meu! A tua namorada vale ouro!

Ele riu-se e falou numa voz calma sem nunca tirar os olhos dela:

- Não podia concordar mais contigo Charlotte! Mas tenho de agradecer-te por teres cuidado tão bem da minha família.

- Não foi nada Edward tu também estiveste há altura, ganhas o prémio de melhor pai do ano sem dúvida. A tua calma, sim senhor, precisa-se de pessoas assim na minha faculdade. Pensa nisso.

Eles riram- se e desta vez foi Bella quem falou:

- Charlotte meu anjo inglês, obrigada por me teres ajudado, eu não sei o que seria se não tivesses aparecido.

- Não penses nisso Bella, o que importa é que correu tudo bem.- sorri-lhe - Agora essa do anjo inglês vai para o meu blog – brinquei - bem família vou vos deixar uns minutos a sós e depois vamos fazer um check-up ao hospital para certificarmo-nos que está tudo bem.

- Certo. Mais uma vez obrigada. - Repetiu ela.

- Ora essa! – reconfortei-a  e preparei-me para me levantar.

Assim que fiz, as minhas pernas estavam hirtas e feridas do chão duro. Mas a adrenalina de ter conseguido passar por toda aquela experiência mantinha-me insensível á dor. Abri a minha mochila vesti o meu casaco, bebi a minha garrafa de agua num só trago. Ao mesmo tempo o meu cérebro passava pequenos clipes de tudo o que tinha acontecido e eu sentia-me num dos melhores filmes de sempre. Quando vi o relógio reparei que já passavam das 8 da noite.

Baixei-me e coloquei a pesada mochila militar ás costas.

Quando me virei, tive a certeza que o meu coração podia parar a qualquer segundo. Um ser que não sei definir estava à minha frente, os seus olhos carmesim gelavam o sangue nas minhas veias e o seu cabelo vermelho fogo fazia-me querer fugir. A criatura abriu os lábios num sorriso macabro e o ar deixou de circular nos meus pulmões.

Aquele pesadelo em movimento segurou-me pela camisola cuspindo de desprezo. Enquanto eu fiquei inerte desejando fugir. Então, e sem ter controlo do meu destino, fui projectada tão rapidamente quanto conseguia ser para algo duro, afiado e sujo que não consegui indagar ao certo o que era. Doíam-me sítios que nem sabia sequer existirem e essa dor era insuportável. Antes de adormecer ouvi o meu nome gritado por Bella e Edward, e o nome dela, o monstro a soma de todos os meus medos, Victoria. Fechando os olhos, rezei para que ela não os magoasse.

 

Ponto de vista da Bella

- Charlotte!!! Oh meu Deus! Edward! A Charlotte... - gemi desesperada agarrando Elizabeth mais perto de mim. E temendo que o pior tivesse acontecido a mulher que salvou a minha vida.

- Eu sei Bella... Eu sei.... - também ele sentia empáfia por ela- A Victoria esta a chegar aqui. Ouve-me com atenção! O Jacob vai tentar distrai-la, eu quero que quando a Rosalie e a Alice chegarem ao pé de ti vás com elas sem pensar duas vezes.

- Mas e vocês?!- perguntei.

- Nós ficamos bem, confia em mim!

- Sim.- Anuí com igual certeza

Beijamo-nos e depois disse:

- O Jacob vai atraí-la para aqui, acabou de pregar-lhe uma rasteira.- esboçou um rascunho de um sorriso.

Assim foi. Rosalie chegou primeiro a nossa clareira com a Alice nos seus flancos as duas aproximaram-se de mim e dos meus filhos. E mesmo sem uma palavra transmitiram o calor e afectuosidade que ao ver os pequenos milagres que eu e Edward trazíamos no peito. E agradecemos as silenciosas felicitações. Alice levou o pequeno príncipe do colo do pai e disse-lhe que ia ficar tudo bem. Rosalie aproximou-se de mim, ajoelhou-se e disse num som quase inaudível que estavam todos orgulhosos de mim e que isto ia já passar.

Quando estávamos prestes a conseguir fugir, Jacob apareceu com Victoria a saltitar à velocidade da luz nos seus flancos, de repente a vampira ruiva parou. Provavelmente sentiu o cheiro de todo aquele sangue. Segurei a minha filha com toda a segurança que consegui e prendi a respiração.

Ela viu-me, mas assim que isso aconteceu Jacob mordeu-lhe as pernas e a luta física recomeçou. Gritei o nome do meu melhor amigo, em pânico mas sabia que tinha que ir. Agora era mãe e os meus filhos não estavam em segurança, segurei uma vez mais a mão de Edward e disse-lhe:

- Edward tenham cuidado, quero-vos aos dois em casa são e salvos.

- Sim querida.- sorriu-me ele.

Olhei mais uma vez os seus olhos dourados e soltei a sua mão, deixando que Rosalie me levasse para casa em segurança.

 

Ponto de vista do Edward:

- Onde é que está a humana!? - perguntou histérica

Estava confusa ao ter concluído que Bella acabara de dar a luz e fugido airosamente.

- A humana? Victoria, por favor! Não achaste que eu a ia entregar numa bandeja de prata, pois não?! És tão idiota quanto o teu companheiro? Deve ser por isso que era uma presa tão fácil! - provoquei ajudando Jacob a alcança-la rapidamente.

Num ápice derrubou-a de novo ao chão. E eu tirei do bolso o meu isqueiro.

Jacob tentou morder os seus braços mas logo ela serpenteou para fora da sua prisão. Tentou agarrar-se ao rochedo onde, na base estava a pobre médica. Mas o musgo não a estava a colaborar nem o facto de eu prender as suas duas pernas. Chamei Jacob para me ajudar e logo ela ficou encurralada. Nos seus olhos vi nascer o medo e enquanto Jacob mordia a sua perna.

Pressionei a tampa do meu isqueiro.

A criatura desprezível conseguiu magicamente agarrar-se a algo e preparava-se agora para fugir. Antes disso na sua voz perturbadora e infantil troçou-nos.

- Cavalheiros, isto hoje já não tem piada! Marcamos para outro dia?

Depois pontapeou Jacob fazendo-lhe perder o equilíbrio. E quando tentei agarra-la conseguiu projectar-me até ao solo. “Vantagens de ter uma dieta humana”, pensei. Quando recuperei já ela tinha desaparecido.

-  Mas porque é que esta filha da mãe é mais rápida que eu??

Jacob que já se tinha recomposto, riu-se na sua forma de lobo da segunda vez que dizia palavrões na sua presença, e lembrou-me que tinha coisas mais importantes que pensar.

Sorri-lhe.

Atirei-lhe as calças de paintball da mochila da médica e respondendo ao seu pensamento gozei:

- Usa como calções.

Aproximei-me do corpo da humana ferida e procurei uma pulsação, felizmente encontrei-a mas os ferimentos eram de facto muito graves.

Jacob aproximou-me perguntando quem era a pobre vítima:

- É a Charlotte, foi a médica que assistiu a Bella hoje. É amiga do Carlisle. Não sei se vai sobreviver. - disse sinceramente.

- Está consciente?

- Provavelmente, mas já não reage a estímulos, o mínimo que podemos fazer é leva-la ao Carlisle.

- Posso leva-la?

Estranhei a pergunta. Jacob respondeu em pensamento.

Ela salvou a minha Bella e para além disso ela é linda não merece ficar aqui a apodrecer.

Anui apenas que sim e Jacob carregou-a.

 

Ponto de vista do Jacob

Sentia a sua pulsação a enfraquecer e cada vez mais depressa.

De repente os seus olhos abriram-se e um azul e olharam os meus, nesse instante o meu mundo parou.

 

publicado por Twihistorias às 23:21

5 comentários:
UAU!
Esperei o dia todo por isto!
Mais um capitulo fantástico, parabéns! Ansiosa pelo próximo...
Bjs
BM a 3 de Março de 2012 às 00:34

Ah,isso está me cheirando a imprintin!
Marcela thomé a 3 de Março de 2012 às 01:11

Gostei gostei gostei!!!!!
ana pereira a 3 de Março de 2012 às 08:50

Amei, amei e amei este capítulo! Não tenho palavras. Quero o próximo capítulo rapidamente ;)

Beijinhos,

Angelina
twilightforever-fic a 3 de Março de 2012 às 10:08

Muito Muito Muito Muito Obrigada a todas/todos :)

Obrigada por acompanharem a Uma Outra Perspectiva obrigada por comentarem mas acima de tudo obrigada por gostarem tanto dela quanto eu.

Espero que continuem a adora-la e que possamos partilhar opiniões sobre tudo o que se passa na UOP. E como sempre estou disposta a novas ideias que tenham sobre a história.

Um obrigada especial à BM por não só comentar e apreciar a UOP mas também pelo o facto de lhe dar um relevo especial no seu dia. Obrigada as tuas palavras comoveram-me e fico feliz por isso acontecer.

Quanto à pergunta da Marcela resta-me dizer que os próximos capítulos vão sem dúvida esclarecer essa questão :P

Mais uma vez obrigada por serem tão bons leitores, e esperando que vos consiga surpreender e agradar até ao fim da UOP.

Um óptimo resto de fim de semana

Twikisses

Ana Filipa Alves

Ana Filipa Alves UOP a 4 de Março de 2012 às 14:49

Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
13
16

19
22

26
28


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

31 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O nosso facebook
facebook.com/twihistorias
blogs SAPO