05
Jul 10

-Então como correu o encontro com a sanguessuga mini? – Jacob nunca falava de qualquer vampiro sem pôr qualquer nome horrendo ou ofensivo.

 -Jacob Black, sabes bem que não gosto que fales assim dele – lançou-me um olhar que dizia: “já é ele?” – ou de qualquer outro vampiro – apressei-me a corrigir.

-Ou! Calma Gold. Sabes que ninguém gosta dele, o teu papá e a Bells. Até a Nessie anda preocupada.

-Quê? Ela falou-te de alguma coisa?

-Sim. Ela tem medo que ele use lá aquele poder que ele tem para cortar laços afectivos. – Anui com a cabeça sabendo do que ele falava. – Pronto. Ela tem medo que ele corte os laços entre ti e nós e te tornes uma deles, uma Volterri ou lá o que aquelas sanguessugas pomposas se chamam.

-Volturi. A Nessie sabe que isso não vai acontecer. Ela confia em mim, sabe que eu jamais deixaria que as coisas chegassem a esse ponto, não sabe?

-Sim mas ela tem medo. Tem medo de te perder. Não quero que ela tenha medo disso, Gold.

-Quando ela te falar disso tu contas-me? Promessa de mindinho? – Ele anuiu com a cabeça e esticou o mindinho que agarrou o meu prometendo. – Agora, Jake foi maravilhoso. Ele citou Shakespeare para mim. Não é fofo?

-Ele o quê? Disse-te o quê?

-“A troca do teu voto de amor fiel pelo meu”, que nas tuas palavras quer dizer, “Eu amo-te Renesmee”.

-Ele disse-te essa treta toda só para dizer que gostava de ti? – O seu rosto esboçou um grande ponto de interrogação.

-Jacob, ele foi romântico. O que ele disse foi Shakespeare, Romeu e Julieta. O livro mais lindo e romântico que há!

-Bah! Eu agrado a tua irmã só com coisas simples.

-As coisas deste género são bonitas Jake.

Depressa chegamos ao shopping que havia em Portland. Jacob estacionou o carro no lugar mais perto da porta e entramos. Subimos as escadas rolantes e já conseguia sentir o cheiro da tia Rose, da mãe e do pai a léguas.

-Vamos, eu sei onde eles estão! – Disse para Jacob.

Tentei não dar nas vistas mas corri o mais rápido que pude para chegar à minha família, enquanto Jacob me tentava acompanhar.

-Jacob! – Gritou Nessie.

-Silver! Cão… – Disseram a tia Alice, a tia Rose, o tio Emmett, e o tio Jasper em uníssono.

-Jacob, meu amor. – Disseram a mãe e o pai.

-Jacob. Querida Silver. – Cumprimentaram-nos Esme, e o Carlisle.

Eu e Jacob apenas saudamos todos com um grande “Olá!”. A mãe, a tia Alice e a tia Rose pegaram em mim e afastaram-me para o lado e começaram logo o interrogatório:

-Como foi?

-Ele magoou-te? Matou alguém?

-Foi romântico?

O pai sorria de gozo como se gostasse de me ver a ser massacrada com as perguntas delas.

Apressei-me a interrompe-las dizendo:

-Foi simplesmente mágico. Nós passeamos na floresta, e os poucos raios que a iluminavam e tocavam na pele dele faziam com que ele brilhasse e mãe como tinhas dito é tão bonito. Depois ele citou Shakespeare para mim. Fizemos uma pequena encenação de quando o Romeu visita a Julieta e fala com ela à janela. Foi perfeito. E ele. – Hesitei. Deveria contar que Alec Volturi me tinha beijado?

-Ele? Ele o quê? Ele trincou-te, ele trincou-te foi isso Silver? Por favor, para agonia já me basta ver o Jacob a vestir aquilo. – A tia Alice era tão impossível.

-Não, não me trincou. – E reparei que tinha toda a família Cullen de ouvidos postos a ouvir a conversa desde o início, por isso decidi dizer logo. – Ele beijou-me.

Um “oh!” surgiu em uníssono. Voltei-me para ver a cara de todos, a maior parte estavam surpreendidos, assustados. A tia Alice estava com a boca aberta, sem reacção, poderia ficar assim por horas se Jasper não lhe alterasse as emoções naquele preciso momento. A tia Rose estava com a cara encostada ao peito do tio Emmett que repetia vezes sem conta: “Calma Rose, foi só um beijo, não vai mudar nada.” A mãe olhava-me com um ar carinhoso como Esme. O pai, não mostrava emoção, mas parecia orgulhoso por eu ter crescido, penso eu. Carlisle estava normal, talvez ele tivesse compreendido que isto era uma coisa que eu realmente queria fazer. Nessie acho que era a única que no meio daquela família toda expressava felicidade, e Jacob também estava feliz por ela estar feliz.

-Ouçam. – Disse Edward, certificando-se que todos olhavam para ele. – Ela cresceu. Rose, ela não podia ser a tua bebé para sempre. E não é isto que vai mudar a relação especial que vocês têm, continuas a ser muito especial para ela acredita. E, meu amor, a tia Alice só estava estupefacta, por ser o teu primeiro beijo. Esta tudo bem, desde que ele não te feito mal, ele fez?

-Não, não ele portou-se bem. Prometo, tu sabias se não fosse assim certo?

-É, eu sabia – Sorriu.

Cheguei-me ao pé da tia Rose para me certificar que parava de chorar, senão a tia Alice ia ter um ataque pela camisola do tio Emmett. A cara dela estava encharcada de lágrimas, e não paravam de cair, como o céu num dia de chuva. Esperei que a tia Alice entrasse na próxima loja e levasse o bando Cullen com ela, para puder falar com a tia Rose a sós.

-Tia Rose? – Disse eu baixinho, mas eu sabia que ela iria ouvir

-Sei que não percebes isto, esta maneira de eu chorar, mas eu tenho medo. Medo de te perder, porque sempre foste a minha pequenina, a filhota que eu não tive. Não é que eu não goste da Nessie, eu adoro-a como te adoro a ti pequenina, mas quando nasceste foste a primeira em quem eu peguei, e agarraste-me o dedo com força, como se pedisses para eu não te deixar cair, e logo ali eu percebi que eras tu.

-Rosalie Hale, tu nunca, mas nunca mesmo me vais perder. Eu adoro-te, e não é pelo Alec me ter beijado, que vou abdicar das tuas histórias e do tio Emmett, de tu te deitares ao meu lado e ficares a noite toda a ver-me dormir. Eu nunca por nada vou abdicar de ti, e da nossa família, vocês vem antes de tudo. – Quando acabei, a tia Rose tinha um sorriso na cara e se chorava agora, era por felicidade. Os outros de certeza que estavam atrás de mim a rir-se e a sorrir por saber que era aquilo que eu pensava.

É claro que eles viriam sempre primeiro, mesmo que Alec tocasse piano para mim, ou escrevesse uma canção para mim na sua quinquagésima guitarra. Eles eram quem eu mais amava, cada um pelas suas qualidades e pelo que significam para mim, e sem eles eu realmente não seria nada.

Ouvi o resto da família chegar e todos me saudaram com um olhar carinhoso, como um agradecimento pelo que eu tinha dito. A tia Alice abraçou-me e sussurrou:”adoro-te minha pequenina.” Todos me disseram o mesmo e Jacob acrescentou:”obrigado por mostrares à Nessie que ela já não tem que se preocupar mais.”

 

Informação: A Silver tem um facebook, para isso basta procurar por Silver Cullen, ou então o email dela é: silvercullen@live.com.pt

publicado por Twihistorias às 18:00

Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
14




mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

32 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O nosso facebook
facebook.com/twihistorias
blogs SAPO